domingo, 2 de dezembro de 2012

O Primeiro de Muitos




Gosto de pensar que fui racional. Decidi que já era hora de me apaixonar. Eu estava pronta para aquilo e tive o cuidado de escolher o candidato mais indicado. O mais bonito, segundo a lógica contestável dos meus catorze anos. E assim foi.
Próximo passo: a aproximação. Que não foi tão difícil levando em consideração o reduzido espaço da sala de aula em que convivíamos. Foi só questão de fingir que me esqueci de um livro e pedir para acompanhar junto com o dele. Parecia fácil.
- Então quer dizer que a garota responsável também se esquece das coisas?
Sim, mas não do livro. Da fala. E na falta dela o que me restou a fazer foi rir. Ele era bem bonito mesmo, percebi. Só que não era por isso que eu tinha escolhido o garoto certo.
Assistimos à aula lado a lado trocando alguns comentários engraçados sobre ela de vez em quando. O professor não achou graça. Mas eu sim. A partir daí nada mais foi racional, eu não estava mais pensando.
Foi uma aproximação instantânea, não nos separamos mais. Navegávamos entre as barreiras da amizade e um pouco mais que isso. Em nossa divisão passou a ir além dos livros didáticos. Piadas, pirulitos e respostas de provas passaram a fazer parte dessa equação. Onde de sete à uma da tarde vivíamos numa felicidade memorável, que poderia facilmente virar história um dia.
E como toda boa história, um dia ela acabou. Foi no fim desse mesmo ano, quando geralmente alguns alunos, ou melhor, seus pais, criam a ideia inconveniente de mudar de escola. Ele mudou. Eu fiquei.
Em nosso último dia de aula juntos eu não estava pronta para aquilo e não tive o cuidado de fingir ser forte. Com um abraço um pouco precipitado e muito forte nos despedimos para nunca mais nos encontrar.

Depois dele, me apaixonar nunca mais foi uma decisão. Ele foi o primeiro de muitos e também o melhor de todos. 



Aimee Oliveira. Aimée é um nome francês, significa amada. Fora isso, de francesa não tenho nada. Dizem que sou muito em-mim-mesmada, acontece que eu gosto de pouca coisa. Entre elas: café, dormir e histórias de amor. Qualquer tipo de amor. Moro em São Gonçalo e trabalho no Rio de Janeiro e viajando entre o subúrbio e a cidade penso em histórias que valham a pena contar e as escrevo antes que eu possa esquecer. 
Gostou do texto? Você confere mais na página do facebook Randomly






Quer ver seu texto publicado aqui? Mande um conto ou seu blog pro meu e-mail ( nandacampos_nanz@hotmail.com ) com um texto relativo a uma primeira vez, ainda não discutido, e espere minha resposta. Clique aqui e saiba mais.

2 comentários:

  1. adorei o texto. corre atrás dele :) (e conta a historia pra gente)

    ResponderExcluir

Comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe