quinta-feira, 14 de março de 2013

Essa Fruta Proibida Que Não Consigo Largar

Esse texto me foi pedido, anonimadamente, no meu ask
Como eu não sei quem foi, aí está o pedido entregue.
Espero que você goste.




Eu não sei como foi que aconteceu; de repente eu me vi envolvida por você, por seu olhar, por seus braços e seus beijos gostosos; logo eu que criticava tanto atitudes assim, logo eu que só queria a sorte de viver um amor tranquilo, fui me achar aqui, perdida, entorpecida, por um amor proibido. Era para ter sido só uma diversão, coisa de momento, jogar uma tinta colorida nessa minha vida meio preta e branca, fui cair na minha própria armadilha e me perder em toda essa cor descolorida.

E fico aqui, em silêncio, pensando-te aos gritos, enquanto você está com ela. Eu ainda sou idiota o suficiente para pensar em você quando as horas se mostram iguais no relógio, mesmo sabendo que é ela que desfila com você, ela quem te tem, ela que ganha o melhor e o pior de você, é ela quem recebe suas ligações e sai com você aos sábados à noite. Não eu. Eu assisto ao show de vocês escondida atrás da coxia, esperando o espetáculo acabar para tomar o papel de protagonista e viver essa história torta, errada, incerta, que só trás sofrimento para mim.


Queria ser forte e resistir, a você e a mim. Queria ser capaz de controlar essa emoção de quando você me chama no meio da semana, no meio da noite, no meio da rua para um beco escuro. Não só entender que isso está errado, como parar de agir como se estivesse certoMas sou fraca e me deixo levar: pela sua conversa, seus carinhos, pelas suas promessas que ainda espero ouvir, pelo vício de ter um amor proibido. Eu sei, é perda de tempo, de energia, ficar aqui com você; perda de um orgulho que, sei, foi você quem roubou de mim. Mas você sorri e me convence. Só mais um beijo, só mais um dia, só mais uma fugida da rotina, mais uma mordida num fruto proibido, que diferença faz?

Para você, nenhuma. A gente sabe. Enquanto para mim a coisa ficou séria, eu continuo sendo uma diversão para você; um show fora da sua agenda enquanto você encena um espetáculo de dar inveja a quem olha, de me causar revolta e nojo por trás da coxia. Eu queria que fosse eu e não ela quem tem o papel principal dessa peça e estampa o cartaz de anúncio, queria que fosse eu e não ela quem te tem por inteiro e não só metade, queria que fosse apenas eu; e não nós, e não ela, e não você, e não estar sentada no teu time de reserva esperando pela convocação se tornar oficial.

Tento me manter calma enquanto enfrento, dentro de mim, a minha maior tempestade. Nado contra a maré, mas sempre acabo no mesmo lugar. Não tenho forças para resistir agora que sei que estou te amando. E em silêncio te grito. Como é que isso aconteceu? Se tudo o que queria era viver um amor tranquilo? E ao invés disso dei o azar de ser uma diversão, a outra, a boba e apaixonada, vivendo um romance sem futuro, um erro, que só me machuca. Um baita azar de viver um amor que sempre me será proibido. E completamente sem sentido.


Se você tem alguma sugestão ou gostaria de algum tema ser tratado aqui, basta me pedir, pelo twitter (@nandacampos_ -estou sempre lá, falando sozinha), pelo e-mail (nanzcampos@gmail.com) ou, se também prefere não ser identificada, há também o meu ask (ask.fm/nanzcampos)

5 comentários:

  1. eu adoreiii voce conseguiu colocar em palavras tudo que eu estou sentindo rs coisa que eu ainda não consegui fazer com perfeição

    Meus parabéns!

    http://cantinhodanina19.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu odiei esse texto, mas ok HSAUASSAHSAUSAHASUSAHSAUSASHASAUSHSu
      obrigada

      Excluir
  2. que texto ótimo seguindo já beijos
    http://leehlivros.blogspot.com.br/2013/03/primeira-compra-pelo-submarino.html

    ResponderExcluir
  3. LIIIIIIIIIINDO! <3 FEZ MINHA AMIGA CHORAR.

    ResponderExcluir

Comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe