quinta-feira, 11 de abril de 2013

A Pior Irmã Que Eu Já Tive



Texto feito pra blogagem coletiva do Isso Não É Um Diário



Tenho pena das pessoas que me conheceram depois de você, pena porque sei que depois de você nada aqui em mim ficou igual, pena porque sei que ando me doando em restos, me abrindo em caos completo e confiando pela metade. Ao sair daquele jeito da minha vida, ao bater a porta no silêncio da madrugada, você não só criou rachaduras em mim como desmoronou boa parte do que eu era. A minha fé inabalável nas pessoas nunca mais foi a mesma. E o meu conceito de amizade também não. Você para mim foi quase uma irmã, mas irmã, eu bem sei, nunca faria o que você fez.

Você me abandonou na hora que eu mais gritava por ajuda, porque sua vida estava te chamando e você não tinha tempo para besteiras. Como se a vida do lado de cá estivesse fácil. Você nem olhou para trás, nem mandou mensagem, nem se permitiu se doer um pouquinho pelo que estava fazendo com nós. Do lado de cá eu chorei, eu me doí, eu sofri e eu sangrei. E tentei, uma, duas, mil vezes, consertar as coisas entre nós ainda que sabendo que nada do que fizesse melhoraria o que nos restou. Eu te machuquei com meus pedidos de socorro e você me machucou com as coisas que gritou para mim. Ainda tenho pesadelos com suas acusações, ainda remonto os diálogos para ver se dava para ter salvado as coisas naquela hora.


Como se a culpa fosse minha ou como se a culpa fosse sua. Que culpa tem você se você apenas foi viver sua vida, realizar seus sonhos e ter tempo só para o seu amor? Que culpa tenho eu se confiei e esperei mais do que você estava disposta a me dar? Você foi a pior irmã que alguém poderia ter e, ainda assim, a melhor que eu já tive, a única que eu queria aqui.

Já te odiei muito e você deve imaginar. Já odiei nossas conversas, nossas brincadeiras. Já odiei a irmandade que construímos e que nunca mais construirei com outras pessoas. Odiei seus gritos, suas acusações, suas cobranças. Odiei o silêncio que você deixou, os segredos que nunca mais trocamos e esse espaço de um mundo nos separando. Odiei que você nunca olhou para trás e recusou todas as minhas tentativas de fazer você olhar. Odiei você. Na mesma intensidade que te amei, com aquela mesma paixão que me doei a nossa amizade. Hoje não odeio mais. Só sinto pena.

Pena do que você perdeu de mim ao escolher esse caminho, pena de mim por ter te deixado me machucar e me desiludir desse jeito, pena de todas essas pessoas que se aproximaram e me conheceram depois; mal sabem que me doo pela metade com medo de ser inteira com alguém outra vez, mal fazem ideia que ainda procuro nelas um traço de você. Do seu lado, talvez, isso soa ridículo, eu não te doo nem metade do que você dói em mim. Do lado de cá, eu ainda tenho vontade de gritar, eu ainda choro de saudades suas: nada nunca mais foi igual depois que você se foi. 

E nada, eu bem sei, nunca mais será.


10 comentários:

  1. ''Você me abandonou na hora que eu mais gritava por ajuda'' Tão certo isso :( ... esse texto foi muito para mim.... perfoooo!!!! Vc ahaza Nanda, apenas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse texto foi muito DE mim isso sim
      SAHSAUSAHSAUSA
      nem sei porque postei, vontade de deletar total

      Excluir
  2. Que texto Nanda muito intenso algumas partes eu encaixo na minha vida
    infelizmente ou não ,nem sei mais PARABÉNS .

    ResponderExcluir
  3. "Que culpa tem você se você apenas foi viver sua vida, realizar seus sonhos e ter tempo só para o seu amor? Que culpa tenho eu se confiei e esperei mais do que você estava disposta a me dar? Você foi a pior irmã que alguém poderia ter e, ainda assim, a melhor que eu já tive, a única que eu queria aqui."

    Cara que textooo!
    Me fez sentir como se tivesse passando novamente por uma fase todinha da minha vida. Mto intenso.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito. Parece que viveu minha vida haha.

    ResponderExcluir

Comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe