segunda-feira, 17 de junho de 2013

Eu Tentei

Pedido feito pela Amada (Isis)
baseado na música Nada Es Para Siempre, do meu lindo Luis Fonsi
Obs: leiam ouvindo porque é muito importante.


Eu tentei te amar em gestos e olhares para fazer você ficar. Tentei usar palavras, mas elas não foram o bastante. Nós nunca fomos o bastante, não é? Então procurei alguma letra, alguma música, para conseguir te amar de um jeito mais fácil. Mas nunca houve jeito fácil entre a gente. Nunca houve maneiras. Não foi culpa sua, culpa minha, culpa nossa. Mas ainda assim a gente se culpa. Eu tentei te amar do meu jeito. Mas você nunca compreendeu que meu jeito torto era o melhor que eu poderia te oferecer. Aí eu tentei do seu jeito, mas também não funcionou. Eu tentei bater na sua casa e dizer tudo isso que sinto, arrancar do meu peito e entregar-me em suas mãos. Mas esse meu amor era tão grande, tão doente, que não coube em minhas palavras, em meu vocabulário pobre e, muito menos, em mim.


A gente foi uma história linda, a mais linda de todas, e agora carrego você tatuada para sempre em mim. E não sei lidar com isso –nem com você nem com sua ausência por aqui –E fomos muito mais que ilusões, porque, entre nós, nunca houve dúvida. Foi pior, houve foi certeza demais, e por isso não funcionou. Faltou perguntas, faltou conversas, faltou dialogo, faltou. Sobrou loucura, sobraram tentativas, sobraram erros e sobrou amor. E ainda assim não foi o bastante. Merda. Nunca foi, não é? Eu tentei te amar tanto, que acabei te amando pouco. Te amando menos. Te amando nada. Porque o amor nunca combinou com tentativas, com certezas e com promessas de ser para sempre. Nada é para sempre. A gente também não foi.



Eu tentei tanto que me perdi de mim mesmo tentando achar um jeito de te amar. Acabei, nessa busca, perdendo você também. Talvez não houvessem jeitos, só amor. Amor tinha, e tinha muito, tinha no olhar, nas carícias, nos carinhos e na pele. Tinha na música que cantava em seu ouvido e que você nunca ouviu. E nos pedidos que fazia rezando de olhos fechados e implorando que tivéssemos apenas mais uma chance. Tinha amor nos silêncios, nas brigas, nas idas e nas voltas. Tinha amor nos meus braços, possessivos, na sua cintura. E ainda há amor enquanto vou para outra tentativa frustrada de te apagar de mim. Tinha amor demais e a gente sempre soube disso. O que não tinha eram chances para fazer dar certo.

E por isso eu tentei te amar como se não houvesse amanhã. Porque, na verdade, para nós, nunca houve.





Se você tem alguma sugestão ou gostaria de algum tema ser tratado aqui, basta me pedir, pelo twitter (@nanzcampos -estou sempre lá, falando sozinha), pelo e-mail (nanzcampos@gmail.com) ou, se também prefere não ser identificada, há também o meu ask (ask.fm/nanzcampos)

10 comentários:

  1. Ain Nanda, que lindoo!
    E ler escutando a música, vamo combinar, é pra acabar tudo de vez. HAHAHA'<3
    Perfeito!

    ResponderExcluir
  2. Cheguei aqui pelo face da minha amiga Kah e simplesmente amei seu blog, só textos lindos e sensíveis. Este de hoje me tocou muito impossível segurar as lagrimas obrigada por me proporcionar isso. Tudo muito lindo,e que lindo dom vc tem Fernanda Campos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que coisa linda
      obrigaaada mesmo mesmo mesmo

      Excluir
  3. Meu Deus, o texto já é perfeito e acompanhado dessa música... É pra matar qualquer coracãozinho apaixonado (tipo o meu).

    ResponderExcluir
  4. Me fez chorar :/
    Nanda porque você sempre faz isso? Que coisa feia mocinha rsrs

    ResponderExcluir
  5. Eu tinha que estar ESTUDANDO Psicopatologia Geral I e estou aqui pra reler esse texto. E MAIS UMA vez, chorar com ele. Como você tem a capacidade de fazer isso comigo?
    Eu morro lento com isso :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahsuashsauashassauashsaus a culpa é minha por voce ser chorona?

      Excluir

Comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe