quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O que restou após o fim




De longe te avisto do outro lado da rua. Você ainda não me viu ou talvez esteja só fingindo não ter me notado ainda, diferente daquele dezembro que mesmo em direções opostas os nossos olhares se cruzaram e os nossos sorrisos sorriram juntos.

O meu coração acelera cada vez que a distância entre nós diminui. A inquietude toma conta de mim, minhas pernas travam e minhas mãos tremem e suam mais do que nunca.

O tempo já passou, mas você ainda continua causando efeitos em mim. Culpa do destino que insiste em nos fazer esbarrar em cada esquina todas as vezes que a ferida está praticamente cicatrizada.

Enquanto parte da minha mente funciona ferozmente sobre o quê fazer, outra parte lembra-se daqueles momentos que agora parecem serem tão distantes e que já não vem à torna como antes. Parte também se pergunta o que restou após o fim e é estranho perceber que de tudo o que vivemos poucas coisas restaram.

O que restou após o fim foram lágrimas e frustrações ao descobrir que estive enganada sobre você. O que restou após o fim foram seus erros querendo substituir os seus acertos. O que restou após o fim foram brigas intermináveis sem motivos.

Apesar de ter restado também saudade, cartas e lembranças de momentos felizes cada vez mais elas se tornam distantes, quase como se tudo tivesse sido apenas uma utopia.

Você sorriu e veio caminhando em minha direção. O quê fazer? Estranho não saber como reagir perto de quem, antes, eu corria para o abraço todas as vezes que via. Estranho sentir-se como uma desconhecida perto de alguém que um dia fez parte da sua vida.

"Oi, tudo bem? Quanto tempo ein?! Você sumiu!".

"Ah, sumi não. Tô sempre por aí. O que tem feito da vida?".

Alguns minutos de conversa clichê de quando revejo alguém que há tempos não me encontrava.

“Quem sabe a gente acaba se esbarrando por aí de novo?!”.

Me despeço com um abraço e um até logo.

Atravesso para o outro lado da rua sem olhar para trás, afinal, poucas coisas restaram após o fim, mas, muitas mudaram.


Levemente inspirada em Back to December da Taylor Swift

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe